Do you prefer the english version? Click here! X

Clube Atlético Mineiro

PT EN ES

- Torcida -

Você está aqui:

27.03.14 Grandes Ídolos

Ronaldinho Gaúcho

9403434082_ce68eccdf6_zParecia uma segunda-feira qualquer no início de junho. O Atlético havia conquistado o título Mineiro ao vencer o América na decisão e iniciava o Campeonato Brasileiro com duas vitórias em duas rodadas.

Só parecia. Definitivamente, não era. Mal sabíamos que o dia 4 de junho de 2012 ficaria marcado eternamente na história do Galo e na vida de milhões de atleticanos.

13616199714_2d90679304_kNa hora do almoço, começa um burburinho: “Ronaldinho está em BH negociando com o Galo. Pode ser anunciado a qualquer momento”.

Poucas horas depois, jornalistas de todos os cantos e veículos começam a se dirigir para Belo Horizonte. Havia até helicóptero sobrevoando a Cidade do Galo. Era oficial: Ronaldinho Gaúcho, o melhor jogador do mundo nas temporadas 2004 e 2005, vestiria o manto sagrado alvinegro e já treinava com os companheiros.

No dia anterior, uma pesquisa online indicava que o craque era rejeitado pela maioria dos torcedores de todos os clubes da série A. Em poucas horas, a rejeição virou idolatria. Rodas de amigos, mesas de bar, ligações, mensagens, publicações em redes sociais. Por toda a parte, o assunto era um só: “Ronaldinho é do #Galo”.

Em sua primeira coletiva, Ronaldinho demonstrou a satisfação em vestir a camisa alvinegra. “Quando a gente recebe muitas críticas, acaba tendo vontade de dar a volta por cima e vim com essa vontade. O presidente (Alexandre Kalil) viu isso e me convidou para vir para cá. Penso em fazer o meu melhor, estou motivado para isso e almejando coisas boas. Chego para dar o meu máximo e ajudar o Atlético a conquistar títulos”, afirmou o meio-campista.

Em sua primeira temporada no clube, Ronaldinho vestiu a camisa 49, em homenagem a sua mãe, dona Miguelina, que passava por problemas de saúde.

Brasileirão 2012

Dois dias foram suficientes para Ronaldinho estar pronto para a estreia. Porém, a Federação de Futebol do Rio de Janeiro não transferiu a documentação do jogador, impedindo que o craque entrasse em campo para enfrentar o Bahia. Com isso, a estreia ocorreu em 9 de junho de 2012, contra o Palmeiras, no Pacaembu. O Galo venceu por 1 a 0, com gol de Jô. Embora R49 tenha dado duas assistências, o árbitro anulou os dois gols de forma incorreta.

Na primeira partida diante da Massa, contra o Náutico, o meio-campista precisou de 35 minutos pra marcar o primeiro gol no clube. Após uma penalidade sofrida pelo atacante Jô, o camisa 49 bateu com precisão, no ângulo direito, sem chances para o goleiro.

Desde a chegada, Ronaldinho demonstrou sua categoria com assistências e gols decisivos, conduzindo a equipe. No primeiro encontro com o rival, o craque fez um gol histórico, considerado um dos mais bonitos da história do clássico mineiro.

Durante toda a campanha do Brasileiro de 2012, a torcida atleticana presenciou dribles mágicos e passes antológicos. Algumas atuações foram amplamente divulgadas pela mídia internacional. Contra o Figueirense, após a morte de seu padrasto, Ronaldinho optou por jogar e prometeu homenagear o familiar. Com uma atuação de gala, marcou 3 gols, deu passe para outros dois, e comandou o time na vitória por 6 a 0. Diante do Fluminense, foi responsável por duas assistências, sendo uma delas no última lance da partida — para o gol do zagueiro Leonardo Silva, que garantiu a vitória do Atlético por 3 a 2.

Na antepenúltima partida do Nacional, evitou a primeira derrota do Atlético no Independência, aos 45 minutos do 2° tempo. Após bate-rebate na zaga do Atlético Goianiense, o meia chutou seco no canto direito para igualar o placar: 2 a 2. Ao final da partida, a torcida do Atlético cantou “Fica Ronaldinho” nas arquibancadas do estádio e o jogador rasgou elogios à Massa Alvinegra. “O carinho que a torcida do Galo tem comigo é algo que eu não sei explicar. É muito pouco tempo para isso ter acontecido. O Galo ficou muito tempo sem brigar pelo título e Libertadores, e cheguei nesse momento bom e pude ajudar com boas atuações. Em qualquer lugar que saio em Belo Horizonte é assim. Eles pedem para que eu fique. Perguntam se eu vou ficar, mas meu pensamento é na vaga direta para a Copa Libertadores. Depois, vou deixar meu irmão conversar com o presidente e acertar tudo. Meu pensamento é em fazer o melhor para que o Galo entre na Libertadores.”, comentou Ronaldinho.

Antes mesmo de terminar o Campeonato Brasileiro, a diretoria do Atlético oficializou a renovação de contrato do atleta até o fim de 2013, por meio do Twitter do então presidente Alexandre Kalil. Na ocasião, Ronaldinho concedeu entrevista coletiva na Cidade do Galo e afirmou que a torcida do Atlético pesou para a sua renovação. “Fico, já está tudo certo e estou muito feliz. Desde que cheguei, tive um tratamento maravilhoso, desde o primeiro contato com o presidente, depois chegando aqui, os companheiros, e a torcida, que foi o que mais pesou. A torcida mexeu comigo e, botando tudo isso, é o que me fez ficar feliz e continuar aqui. Tudo que passei nesses cinco, seis meses me fez querer ficar aqui”, disse o craque.

Na última rodada do Brasileirão, o Galo bateu o Cruzeiro, por 3 a 2, e garantiu vaga direta na fase de grupos da Copa Libertadores 2013.

Ronaldinho foi eleito Bola de Ouro pela Revista Placar e ainda levou o prêmio de “craque da galera” na premiação da CBF.

Libertadores 2013

Em 2013, Ronaldinho manteve a toada: grandes apresentações, gols e várias jogadas geniais. Grande astro do Atlético na Copa Libertadores, voltou a vestir a camisa 10 e chamou a responsabilidade para si no torneio continental. A primeira fase não poderia ser melhor: com 5 vitórias em 5 jogos, classificou o Galo de forma antecipada e batendo clubes expressivos da América do Sul, como o São Paulo e Arsenal de Sarandí. Na primeira partida do Atlético, deu duas assistências na vitória sobre o São Paulo, por 2 a 1. O jogo ficou marcado por um lance curioso. Após paralisação para atendimento do lateral-esquerdo Júnior César, o meia do Galo foi até o goleiro Rogério Ceni e pediu água. Na cobrança de lateral efetuada por Marcos Rocha, Ronaldinho recebeu livre na grande área e sem nenhuma marcação. Teve apenas o trabalho de dominar e achar o atacante Jô, na pequena área, para abrir o marcador. O lance, raro de se ver no futebol, foi destaque em toda mídia internacional, que ressaltava a genialidade do jogador. No duelo contra o Arsenal, em Belo Horizonte, voltou a ser destaque ao marcar um gol antológico. Após receber passe do atacante Araújo, percebeu o posicionamento do goleiro e deu um toque sutil, acertando o ângulo direito da meta argentina.

Em entrevista ao Arena Sportv, em abril de 2013, o jogador comentou como foi sua chegada ao Atlético e a conversa que teve com o presidente Alexandre Kalil. “Conversei com o presidente e vi que ele estava entendendo o que eu queria. Sempre imaginei (voltar a) passar pelo que estou passando. Ele disse uma coisa muito simples: ‘Sei que tu tá com sangue no olho, com vontade de voltar a jogar. Pode vir que no meu clube eu tenho estrutura para (fazer) você voltar à Seleção. E quando eu sentei com o presidente do Atlético eu já pensei: “Esse cara tá entendendo o que eu quero. E é com ele que eu vou”, comentou o camisa 10. O meio-campista comparou sua chegada no Atlético ao bom momento que viveu com a camisa do Barcelona, entre 2005 e 2006. “Quando eu cheguei no Barcelona, o Real Madrid vinha com os galácticos, vencendo durante muitos anos. Agora, no Galo, o clube vinha de muitos anos sem participar de uma Libertadores. Lembra muito quando eu cheguei no Barcelona. Estou muito feliz de estar passando por isso novamente na minha carreira. Espero que finalize como foi no Barcelona, com títulos.”, destacou o atleta.

Já classificado para as oitavas-de-final, o Atlético fechou a primeira fase contra o São Paulo, no Morumbi, em um jogo que só valia para o clube paulista. No intervalo da partida, Ronaldinho pediu para que o time se divertisse e utilizasse a partida como um treino para a fase de mata-mata. Os dois clubes se encontraram novamente na fase de oitavas. No jogo de ida, em São Paulo, triunfo alvinegro por 2 a 1 com direito a gol de cabeça de R10. A vibração de Ronaldinho na comemoração chamou a atenção da torcida: “Aqui é Galo! É Galo! É Galo! É Galo, p*$$%!”. Em Belo Horizonte, vitória massacrante: 4 a 1, com uma assistência do craque. Após a partida, o meia comentou o que disse na fase de grupos e ainda ironizou. “Para dizer a verdade, eles entenderam errado. Naquele jogo uma equipe tinha um objetivo, era ‘tudo ou nada’ para eles, mas para gente não mudaria nada, nem o primeiro lugar do grupo. Devido às circunstâncias, eu disse que a gente tinha que se divertir. Eles entenderam errado e usaram como motivação. Mas vou aproveitar a deixa… Quando está valendo, está valendo.”, afirmou, com um sorriso em seguida.

Nas quartas-de-final, o adversário era o Tijuana. No estádio Caliente, no México, R10 levou, logo no início da partida, uma bolada no olho, que ficou inchado e muito vermelho. Ronaldinho seguiu no jogo. Mesmo com o revés de 2 a 0 no início da partida, o craque jogou bem e ainda deu o cruzamento para o gol de Diego Tardelli. No fim da partida, Luan igualou o marcador. Em Belo Horizonte, o Galo jogava pelo 0 a 0, mas a equipe fez uma partida abaixo da média. O clube mexicano saiu na frente, mas, no fim da primeira etapa, Ronaldinho bateu falta para Réver, livre na pequena área, escorar pro fundo do gol. No fim da partida, Victor salvou o Galo da eliminação defendendo a cobrança de pênalti de Riascos.

No primeiro jogo da semifinal, em 3 de julho, em Rosário, na Argentina, o Galo jogou mal e foi derrotado pelo Newell’s, por 2 a 0. Para a partida de volta, R10 pediu apoio incondicional da Massa e garantiu que, se fosse preciso, deixaria sangue no gramado para classificar. No Independência, apenas três minutos suficientes para o Galo abrir o caminho para a decisão. O craque do Galo deu passe milimétrico para Bernard chutar cruzado na meta de Guzmán. O gol da igualdade no placar agregado veio somente aos 43 da etapa final, num chute de fora da área de Guilherme. Na decisão por pênaltis, coube a Ronaldinho converter a última cobrança do Galo e a assistir mais uma defesa de Victor, que segurou o chute de Maxi Rodríguez.

A final da Libertadores 2013 foi contra o tricampeão Olimpia. Com casa cheia no Paraguai e muita marcação por parte dos adversários, Ronnie praticamente não conseguiu mostrar seu bom futebol. No segundo tempo, o técnico Cuca sacou o jogador de campo para colocar Guilherme. Dias após o acontecimento, o comandante afirmou que aquela substituição era para mexer com o brio do jogador, que saiu irritado de campo, e motivá-lo para a grande decisão, em Belo Horizonte. No confronto do Mineirão, o Atlético precisou de muita paciência para furar a retranca do time paraguaio. O meia chamou a responsabilidade, buscando jogadas e até chutes de longa distância. Os gols de Jô e Leonardo Silva levaram o Galo para a prorrogação, que terminou sem gols. Na decisão por pênaltis, o camisa 10 era o último a cobrar, mas, com duas cobranças desperdiçadas pelo time paraguaio, Ronaldinho nem precisou bater. Título inédito para o Galo, conquistado após campanha épica.

Ao final da partida, o meia desabafou e agradeceu o técnico Cuca. “Era o que me faltava. Falaram que nós somos um time de renegado. ‘Fala agora! Jô está acabado. Ronaldinho está acabado. Demos a volta por cima e demonstramos que não é assim. Cuca é parceiro, desde quando eu era pequeno. A torcida me abraçou. É a minha maior alegria dar essa conquista ao torcedor”, desabafou o bruxo.

Com a conquista sul-americana, Ronaldinho se tornou o primeiro jogador de futebol da história a conquistar: Copa do Mundo, UEFA Champions League, Copa Libertadores da América e o troféu de melhor jogador do mundo.

Uma semana após o título, a Massa lotou o centro de Belo Horizonte para comemorar a conquista.

Mineiro 2013

11569564614_5231e114cb_oParalelamente à campanha da Libertadores, o Atlético conquistou o Campeonato Mineiro de 2013 sobre o maior rival. Ronaldinho teve papel importante na conquista, ao marcar o gol do título, no Mineirão.

O jogo de ida da final, vencido pelo Galo, por 3 a 0, foi disputado no Dia das Mães. Ronaldinho entrou no gramado da Arena Independência acompanhado de sua mãe e ouviu da Massa os gritos de “Ah! É Miguelina!”.

Contusão e volta por cima

No segundo semestre de 2013, R10 sofreu a contusão mais grave de sua carreira. Em um treino na Cidade do Galo, o jogador sofreu uma lesão grau 3 no adutor da coxa.

Contrariando previsões, o meia voltou a trabalhar com bola no mês de novembro e foi relacionado para a última rodada do Brasileiro de 2013, contra o Vitória. E sua volta aos gramados não podia ser em melhor estilo: marcou os dois gols no empate contra o clube baiano, no Independência. Nos dois últimos jogos da temporada, pelo Mundial de Clubes da FIFA, em Morrocos, o craque alvinegro marcou mais dois gols.

Em janeiro de 2014, Alexandre Kalil confirmou a renovação de contrato do jogador por mais um ano. Em poucos minutos, a notícia se espalhou e foi manchete em vários cantos do mundo.

Recopa 2014 e despedida

Em 2014, Ronaldinho disputou mais uma Libertadores com a camisa do Galo e despediu-se do clube em grande estilo, ao conquistar o título da Recopa Sul-Americana, sobre o Lanús, no Mineirão.

Em pouco mais de dois anos de Atlético, Ronaldinho tornou-se um dos maiores ídolos da história do clube.

VAI NA FÉ, RONALDINHO MINEIRO!

O craque ainda mantém contato com a Massa via redes sociais (veja abaixo a mensagem postada por R10 após a conquista da Copa do Brasil 2014).

Parabéns Galo! Com muita vontade e garra dentro de campo e o apoio da massa vcs conseguiram! #AquiEGalo

A photo posted by Ronaldo de Assis Moreira (@ronaldinhooficial) on

Raio-x de um ídolo

  • Chegada: 4 de junho de 2012
  • Saída: 30 de julho de 2014
  • Partidas: 88
  • Gols: 28
  • Assistências: 32
  • Títulos: 3 (Mineiro 2013, Libertadores 2013 e Recopa 2014)

Vídeos

Com informações do Galo Digital.

Publicado 27 de março de 2014, às 13:37.