Do you prefer the english version? Click here! X

Clube Atlético Mineiro

- Torcida -

Você está aqui:

25.11.14 Grandes Ídolos

Éder Aleixo, a bomba de Vespasiano

Éder Aleixo de Assis, mais conhecido como Éder Aleixo, foi um dos principais jogadores na história do Clube Atlético Mineiro. Habilidoso com a perna esquerda e dono de um chute forte, o jogador recebeu vários apelidos como O Canhão e A Bomba de Vespasiano. Em suas três passagens pelo clube (1980 a 19851989 a 19901994 a 1995), o ex-ponta esquerda conquistou 6 títulos mineiros, além de ser um dos principais artilheiros marcando 122 gols.

Éder e o Atlético

idolo-eder-aleixo

Evidente, sua troca foi facilitada pelo fato de Éder ser atleticano apaixonado desde criança, que viria a se tornar o grande Canhão Mineiro, o jogador viveu no Atlético a fase mais bela e polêmica de sua carreira no futebol. Pouco motivado no Grêmio-RS, Éder conseguiu a inimaginável façanha de bater os sagrados Reinaldo e Cerezo na preferência da massa atleticana. Nesta mudança para Belo Horizonte, abandonou alguns vícios (deixou de fumar, por exemplo), adquiriu alguns hábitos saudáveis, passou a treinar mais e dedicou atenção especial ao desenvolvimento de seu chute. Em consequencia, começou a marcar gols olímpicos e suas cobranças de falta tornaram-se mortais. Só não conseguiu mudar o temperamento explosivo. Éder, bonito e namorador, chamava a atenção das mulheres e era visto com freqüência em bares noturnos e boates da capital mineira. Porém, soube dosar e amenizar sua imagem de vida boêmia com seu belíssimo desempenho em campo, sempre com jogadas espetaculares e gols incríveis. Foi fundamental para consagrar o Atlético pentacampeão mineiro no início dos anos 80, uma época de grandes glórias para o Galo, onde junto com ele brilharam outros grandes jogadores como Reinaldo,Cerezo, Luizinho, Nelinho e João Leite. Nesse período, foi o jogador com o maior número de convocações para a Seleção Brasileira, treinada por Telê Santana, seu descobridor e fã, onde foi titular absoluto. Em 1981, nos jogos preparatórios daSeleção, Éder foi um dos grandes destaques nas partidas contra a Inglaterra, a França e a Alemanha. Em 82, no Mundial na Espanha, a tristeza da derrota para a Itália foi compensada pelo ego vaidoso do ídolo mulherengo que recebeu 16 mil cartas femininas. Recebeu, em 1983, o prêmio Bola de Prata no campeonato brasileiro pela revista Placar.
Seu futebol, cobiçado por clubes do mundo inteiro, foi alvo do Hajmn, um clube do Emirados Árabes Unidos, que ofereceu sete milhões de dólares pelo ponta-esquerda. Se aceita, seria a mais vultuosa transação de toda a história do futebol até o momento, depois da compra do argentino Maradona pelo Barcelona por oito milhões de dólares. O então Presidente do Atlético, Elias Kalil recusou a proposta com certa serenidade. Kalil agiu com o coração de torcedor e constatou que Éder era insubstituível, pois apesar de todo aquele dinheiro na mão, não conseguiria comprar nenhum jogador que chutasse como ele. E assim repetiu o não para outros clubes internacionais que cobiçaram seu passe como o Roma-ITA, Milan-ITA,Barcelona-ESP, Sporting-POR e Atlético de Madri-ESP.

Carreira no Atlético

Jogos: 368
Gols: 122
Estreia: CAM 1 x 1 São Paulo-SP – 03/02/1980
Último jogoCAM 3 x 1 Cruzeiro-MG – 04/06/1995
Vitórias: 219
Empates: 84
Derrotas: 65
Títulos: Campeonatos Mineiros de 19801981, 1982, 1983, 1989 e 1995.

TV Galo bate um papo com o ídolo

Fonte: Galo Digital

Publicado 25 de novembro de 2014, às 20:02.