Clube Atlético Mineiro

CAM | Clube Atlético Mineiro | Site Oficial

A MAIOR TORCIDA DE MINAS GERAIS!!!

Próximo jogo: Atlético x Coritiba

História


Reconhecido como um clube de massa, o Atlético possui uma das histórias mais ricas do futebol brasileiro.

Em 25 de março de 1908, um grupo de estudantes se reuniu no coreto do Parque Municipal, em Belo Horizonte. Esse foi o acontecimento que marcou a criação do Clube Atlético Mineiro, que romperia as fronteiras de Minas Gerais e do Brasil para se tornar um dos maiores clubes do futebol mundial. Ao longo de sua existência, o Galo se caracterizou como time do povo, o que impulsionou, de forma avassaladora, o crescimento do Clube.
 
Como prenúncio da trajetória vitoriosa que viria a trilhar, o Atlético venceu o seu primeiro desafio. Em 21 de março de 1909, a equipe alvinegra derrotou o Sport Club Futebol por 3 a 0, na casa do adversário. O primeiro gol do Galo foi marcado por Aníbal Machado, que se tornaria um grande escritor brasileiro. O rival não se conformou com a derrota, pediu revanche e foi novamente superado, desta vez pelo placar de 2 a 0. Na terceira partida entre as equipes, o Atlético aplicou uma goleada por 4 a 0, resultado que causou a extinção do Sport.
 
Pioneirismo - A história do Atlético é marcada pelo pioneirismo, dentro e fora de campo. Em 1908, foi o primeiro time mineiro a trocar as antigas bolas de meia pelas bolas de couro. Seis anos mais tarde, conquistou o primeiro torneio de futebol realizado em Minas Gerais, a Taça Bueno Brandão. Em 1915, venceu o primeiro campeonato oficial de futebol do Estado, organizado pela Liga Mineira de Esportes Terrestres, atual Federação Mineira de Futebol (FMF).

Em 1929, em nova página vanguardista, o Galo disputou o primeiro jogo internacional de uma equipe mineira, vencendo o então Campeão Português Victória de Setúbal, por 3 a 1. Os gols foram marcados por Mário de Castro (2) e Said. A partida foi disputada no estádio Antônio Carlos, que havia sido inaugurado em 30 de maio daquele ano e foi um dos primeiros do Brasil a instalar refletores. O jogo de inauguração do estádio, também conhecido como Estádio de Lourdes, foi contra o Corinthians e o Galo venceu por 4 a 2, gols de Mário de Castro (3) e Said. Em 17 de agosto do ano seguinte, o estádio recebeu a visita do então presidente da Fifa, Jules Rimet, que acompanhou, pela primeira vez, um jogo noturno.

Ainda em 1930, o Galo teve o primeiro jogador de fora do eixo Rio-São Paulo convocado para a Seleção Brasileira: o atacante Mário de Castro. O convite, no entanto, foi recusado pelo atleta. Na ocasião, ele alegou que não vestiria nenhuma camisa que não fosse a alvinegra, com a qual marcou 195 gols em apenas 100 jogos, provavelmente a maior média do futebol mundial.

Em janeiro de 1937, o Atlético se sagrou Campeão dos Campeões do Brasil, na primeira competição interestadual profissional realizada no País. O torneio foi organizado pela Federação Brasileira de Futebol (FBF) e reuniu as equipes vencedoras dos estaduais de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo. Logo depois, a FBF se fundiu à Confederação Brasileira de Desportos (CBD), atual Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Em 1950, o Galo realizou inédita excursão pela Europa. Entre 2 de novembro e 7 de dezembro daquele ano, o time disputou dez partidas contra equipes da Alemanha, Áustria, Bélgica, Luxemburgo e França. Foram seis vitórias, dois empates e apenas duas derrotas. A notável campanha nos frios gramados do Velho Continente, alguns cobertos de neve, rendeu ao Atlético o título simbólico de ‘Campeão do Gelo’ e abriu as portas da Europa para o futebol brasileiro.

Mais um feito inédito seria alcançado em 1969, quando o Atlético se tornou a única equipe do mundo a derrotar a Seleção Brasileira que, um ano depois, conquistaria o tricampeonato mundial, no México. Atuando no Mineirão, o Galo venceu por 2 a 1, gols de Amaury e Dadá Maravilha, com Pelé, em posição de impedimento, descontando para o Brasil.

Em 1971, o Atlético se sagrou o primeiro Campeão Brasileiro, conquistando o título com vitórias sobre São Paulo e Botafogo no triangular final da competição. A escrita pioneira continuou em 1992, com a conquista continental da primeira Copa Conmebol.

Em 2013, o Galo conquistou a América pela primeira vez ao se sagrar campeão da Copa Libertadores, sob a administração do presidente Alexandre Kalil. Em campo, a equipe comandada pelo técnico Cuca teve o talento de Ronaldinho Gaúcho, a juventude de Bernard e Luan, o oportunismo de Jô e Alecsandro, a habilidade de Diego Tardelli, a força de Pierre, Leandro Donizete, a experiência de Gilberto Silva e Josué, a segurança de Réver, Leonardo Silva e Rafael Marques, a regularidade de Marcos Rocha, Richarlyson e Júnior César e a precisão do goleiro Victor.

Fundadores - Aleixanor Alves Pereira, Antônio Antunes Filho, Augusto Soares, Benjamim Moss Filho, Carlos Maciel, Eurico Catão, Francisco Monteiro, Hugo Fracarolli, Humberto Moreira, Horácio Machado, João Barbosa Sobrinho, Jorge Dias Pena, José Soares Alves, Júlio Menezes Mello, Leônidas Fulgêncio, Margival Mendes Leal, Mário Neves, Mário Lott, Mário Toledo, Mauro Brochado, Raul Fracarolli e Sinval Moreira.

Presidentes

01. Margival Mendes Leal (08-10)
02. Aleixanor Alves Pereira (11)
03. Jair Pinto dos Reis (12-13)
04. Joao Luiz Morethzon (14)
05. Roberto Xavier Azevedo (15-16/23)
06. Nilo Rosemburg (17)
07. Jorge Dias Pena (18)
08. Antonio Antunes Filho (19)
09. Alvaro Felicissimo P. Xavier (20)
10. Alfredo Furtado (21-22/24-25)
11. Leandro Castilho M. Costa (26-30)
12. Anibal Matos (31)
13. Afonso Ferreira Paulino (32)
14. Thomaz Naves (33-38)
15. Casildo Quintino dos Santos (39)
16. Salvio Noronha (40)
17. Helio Soares de Moura (40-41)
18. Olimpio Mourao de Miranda (42)
19. Alberto Pinheiro (43-44)
20. Edward Nogueira (45)
21. Gregoriano Canedo (46-49)
22. Geraldo Vasconcelos (49)
23. Osvaldo Silva (49)
24. Jose Cabral (50-51)
25. Jose F. Paula Junior (52-53/56-57)
26. Mario de Andrade Gomes (54-55)
27. Nelson Campos (58-59/70-73/86-88)
28. Antonio Alvares da Silva (60)
29. Edgar Neves (61)
30. Fabio Fonseca e Silva (62-63/67)
31. Jose Ramos Filho (64)
32. Lauro Pires de Carvalho (64-65)
33. Eduardo de Magalhaes Pinto (66-67)
34. Carlos Alberto Naves (68-69)
35. Valmir Pereira da Silva (74-79)
36. Elias Kalil (80-85)
37. Afonso de Araujo Paulino (89-94)
38. Paulo Cury (95-98)
39. Geraldo Vieira da Silva (98)
40. Nelio Brant Magalhaes (99-01)
41. Ricardo Annes Guimaraes (01-06)
42. Luiz Otávio Motta Valadares (07-08)
43. Alexandre Kalil (08-14)

Galeria História

Mais Fotos